Você está aqui: Página Inicial / Notícias / As condições adequadas para ofertar atendimento baseado na Análise do Comportamento Aplicada (ABA)

As condições adequadas para ofertar atendimento baseado na Análise do Comportamento Aplicada (ABA)

 

Manter os profissionais atualizados e constantemente em treinamento tem sido um dos principais desafios dos serviços de atendimento de Análise do Comportamento Aplicada (ABA) para crianças e adolescentes autistas. Segundo Maria Carolina Martone, doutora em Psicologia pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e professora do Instituto LAHMIEI Autismo, os terapeutas precisam sempre reciclar seus conhecimentos para que o tratamento oferecido seja de qualidade. 

“Para ofertar um serviço ABA é preciso garantir condições adequadas. Ou seja, implementadores treinados e supervisores que sejam doutores ou mestres em Análise do Comportamento”, explica Maria Carolina, que também oferece consultoria em ABA para famílias e profissionais. ABA reúne um conjunto de aplicações específicas para cada caso para ensinar e treinar as habilidades necessárias para que se adquira qualidade de vida e independência. Muito usada no ensino da fala e outras formas de comunicação, de acordo com as evidências científicas, é a melhor forma de intervenção para pessoas com algum desenvolvimento atípico. 

De acordo com Ricardo Martone, doutor em Ciências do Comportamento e pós-doutor em Psicologia Experimental, além da capacitação, é preciso sempre planejar um ensino individualizado. Ricardo, que também é docente no LAHMIEI, e Maria Carolina, abordaram o tema nos Seminários Avançados em ABA, promovido pelo Instituto, no qual, periodicamente, palestras online com assuntos atuais e lives com especialistas são realizadas com exclusividade para os alunos dos cursos do LAHMIEI. 

As atividades são certificadas pela UFSCar e acontecem no Google Classroom. Já foram abordados nas aulas online, a história da Análise do Comportamento, problemas comportamentais, treinamento de habilidades funcionais e sociais, o aprendizado de repertório matemático, os direitos das pessoas autistas, metodologia de estudos, práticas baseadas em evidências, artigos científicos, dentre outros assuntos.